Siga o observatório nas redes socias!!!

Paleografia

A paleografia é o estudo das escritas antigas. Este deriva do grego palaio que significa antigo e graphia que significa escritura. 
Etimologicamente, a palavra "paleografia" significa "escrita antiga", pela junção das palavras latinas paleo (antigo) e graphia (escrita). Assim, paleografia é a designação dada à ciência que estuda os documentos antigos, sejam eles escritos com letras ou com grafia musical, e seja qual for o suporte da escrita (pergaminho, velino, cera, papiro, tecido, papel...). Os documentos mais estudados pela paleografia são anteriores ao século XVIII. A paleografia estuda as formas de escrita (cursiva, gótica, carolina...), a história dos documentos, o suporte em que se encontra a escrita e tudo o mais que possa contribuir para o esclarecimento da história dos documentos, do contexto temporal, espacial e cultural em que foram produzidos. Existem outras ciências auxiliares da paleografia e das quais ela é, por sua vez, complementar, como a sigilografia (estudo da escrita sobre selos), a diplomática (estudo de documentos oficiais), a numismática (estudo de moedas), a epigrafia (estudo da escrita sobre pedra), a papirologia (estudo de papiros) e a codicologia (estudo de códices).
O início da paleografia enquanto ciência remonta ao século XVII, com a obra fundamental De re diplomatica de D. J. Mabillon (contudo, já no século XVI, e mesmo antes, foram muitos os estudiosos que se dedicaram a decifrar documentos antigos para as suas obras). Logo no século XVIII, surgiu uma cadeira de paleografia na Universidade de Bolonha, outra no arquivo da Torre do Tombo, em Portugal, com a denominação de Ortografia Diplomática, e ainda na Universidade de Coimbra a de Diplomática, tendo sido também nesta altura elaborado o primeiro tratado de paleografia português conhecido (Paleographia ou Methodo de ler as letras antigas, de Fr. João Crisóstomo de São Tomás). Personagens como D. José Barbosa Machado, o conde da Ericeira e João Pedro Ribeiro contribuíram grandemente para o desenvolvimento desta disciplina.
No século XIX assistiu-se a uma intensificação do interesse nesta ciência com o surgimento de Sociedades que a ela se dedicavam totalmente, como foi o caso da École de Chartres, em França, e da Societas Apriendis Fontibus Rerum Germanicarum, na Alemanha. Por outro lado, a proliferação de academias e outro tipo de sociedades que se intensificou a partir do século XVII, vocacionadas que estavam para o estudo dos mais diversos ramos do saber, fez com que o recurso aos documentos antigos se tornasse uma prática fundamental para a evolução da ciência e, como consequência, que a paleografia se desenvolvesse e se revestisse de grande importância.
Referências Bibliográficas
paleografia. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [Consult. 2014-04-16].



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:
O autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.